Pensar por si mesmo

Contribuição da leitora Paloma

O ser humano é movido por um ciclo infindável de dúvidas, o que faz com que ele busque, de maneira constante, resposta para tudo o que há em sua volta. Na Filosofia, como ponto inicial de algum estudo, partimos da pergunta “qui est”, ou seja, “o que é isto?” afim de realizar um estudo mais especifico sobre algo. Busca-se, portanto, tentar alcançar a verdade por meio de um questionamento, cujo processo passa pela reflexão. Este requer disposições inatas e é fruto de um hábito contínuo

O pensamento foi objeto de estudo de diversos filósofos, como por exemplo o papel do “eu pensante” em Descartes, a busca do mestre interior em Agostinho, entre outros. Mesmo que os objetivos fossem aparentemente distintos ainda assim o pensamento era parte componente das obras filosóficas, e tal fato perpetua-se na contemporaneidade. O ato de pensar não foi instrumento de estudo somente do âmbito filosófico, mas ampliou-se em outras áreas e muitos autores das mais diversas literaturas questionaram-se acerca da temática. Como exemplo disto, o heterônimo de Fernando Pessoa. Alberto Caeiro e seus poemas utilizando-se de conceitos metafísicos levantou questões sobre o que era o pensar e qual a razão que o levara a tal, de acordo com seu ponto de vista e de sua vivência de mundo

Com base no dicionário o verbo pensar é definido como sendo um processo pelo qual a consciência apreende em um conteúdo determinado objeto. Além disso, pensar também é sinônimo de refletir, de formar, de combinar ideias, de raciocinar e ou de planejar. Não há corno deixarmos de pensar, pois até pensar em nada, de uma certa forma já é pensar em algo. Logo, partindo do pressuposto de que o pensamento faz parte do ser e, independente da área que atuamos, refletimos constantemente, o que seria então, pensar por si próprio em um curso de filosofia?

Primeiramente, pensar por si próprio é apoiar se na própria inteligência, cujas ideias formam-se na mente do indivíduo a partir de algum conceito ou de alguma experiência. Quando se pensa por si próprio significa que se leva em consideração as reflexões particulares sem deixa-se influenciar por outrem. Entretanto, por mais que o ser tenha um pensamento independente, ou seja, não precise de outro para pensar por ele. Somos indivíduos formados por ideologias e convivemos em sociedade. Logo, os fatores externos contribuem em sua maioria para a formação do nosso pensamento acerca de algo

Mesmo diante de influências externas, para Schopenhauer, aquele que é conduzido pelo gênio, ou seja, que pensa por si mesmo, que pensa por vontade própria, de modo autêntico, possui a bússola para encontrar o caminho certo[1]. Entende-se que o filósofo defende a ideia de que devemos ser donos do nosso pensamento e pensar por si, pois é por meio da nossa reflexão que encontramos o caminho certo.

Além, de enfatizar tais aspectos, o autor menciona que devemos recorrer à leitura apenas quando a nossa fonte de pensamentos seca, entretanto é necessário ter cautela, pois algumas leituras são falsas e desviam-nos do caminho certo. Não se deve substituir os pensamentos próprios por livros, já que renega-los para ter um livro em mãos é “um pecado contra o Espírito Santo.

Com base nesses apontamentos feitos pelo filósofo, pensar por si mesmo em um curto de filosofia é justamente equilibrar o pensamento próprio e a leitura de textos alheios. Deve-se, assim, não substituir os referenciais teóricos (textos) por pensamentos, afim de a leitura ocupar inteiramente o lugar do ato de pensar. A leitura serve como base complementar para expandir a reflexão do ser e o modo que este possibilitará o alcance da aletheia tão desejada, oscilando de modo equilibrado entre o pensar por si e a s fontes externas.

Pensar por si próprio no curso de Filosofia é justamente ler e saber filtrar as informações verdadeiras, para que estas sejam benéficas no processo de reflexão, e não nos influenciarmos por informações manipuladoras que cegam a capacidade de reflexão autônoma do indivíduo. Além disso, assim como a leitura, a experiência também não pode substituir completamente o pensamento. Deve-se então, haver um equilíbrio entre o conhecimento do mundo, a ideologia que cada um carrega, e as fontes teóricas buscadas, ou seja, as leituras que são realizadas.

Para completar um curso satisfatório é necessário que o pensar por si próprio se faça presente de maneira constante, logo as leituras devem ser instrumento de guia para a construção do ato de pensar e não substitutas da reflexão.

Trazendo tais aspectos da obra A arte de escrever para a prática, precisamente quando lemos o texto de outros autores, nota-se que é plausível aplicar o “pensar por si próprio”, de Schopenhauer, em outras situações. Como exemplo, o texto de Victor Goldschmidt, Tempo histórico e tempo lógico na interpretação dos sistemas filosóficos, também pode ser encaixado em tais questões, ou seja, seria ele também um ser que pensa por si próprio?

Goldschmidt afirma que a filosofia é explicitação e discurso, isto quer dizer que este se dá por meio de movimentos sucessivos, no curso dos quais produz, abandona e ultrapassa teses ligadas umas às outras numa ordem de razões[2]. No caso, a progressão desses movimentos será responsável por dar à obra a sua estrutura, que se efetuará em um tempo lógico. Além disso, também há o tempo histórico, que é definido como o tempo do filósofo, este que não é o mesmo para todos, pois cada um possui o seu em sua temporalidade particular.

Após discorrer de ambos os aspectos, Goldschmidt levanta questões em relação ao intérprete, pois este precisa ter determinado comportamento diante de um texto, sem deixar-se levar apenas por suas opiniões próprias.

Nota-se, então, que quando se trata de “pensar por si próprio”, mesmo que de maneira inconsciente, acabamos, de uma certa forma, seguindo o texto de Schopenhauer. Analisando esses aspectos utilizando o ponto de vista do filósofo, para Goldschmidt, então o seu posicionamento sobre a leitura de textos é um tanto distinta, pois ele afirma que o intérprete não pode simplesmente só pensar por si próprio, mas deve averiguar o texto, o seu contexto e estudar outras sobras do autos que está analisando. No caso do intérprete não há como apenas pensar por si, já que não se pode interpretar o texto fora dele mesmo, ou seja, supor informações que não são evidentes. Não há como interpretar algo além do que o texto oferece.

Dentro da análise de Goldschmidt, notamos essa presença da essência que Schopenhauer passa para os leitores, porém, além disso, o próprio Victor Goldschmidt enquadra-se, de maneira equilibrada, em tal pensamento. Isto ocorre porque à medida que escreve seu texto e define os dois conceitos de tempo, ele está pensando por si próprio e utilizando, ao mesmo tempo, outras fontes para desencadear sua ideia. Logo, o autor apropria-se de um pensar próprio, mas sem abandonar os textos que lhe servem como referência para elaborar sua visão. Então, quando se escreve textos de cunho científico-acadêmico exige-se que haja um elo entre o pensar por si próprio e outras fontes bibliográficas. Alguns autores trabalham de maneira equilibrada, em outros há a predominância de citações teóricas e pouco pensar por si e vice versa.

Concluímos, portanto, que Goldschmidt utiliza-se de seu pensar por si para formular suas ideias e passar para a modalidade escrita, assim como também não abandona a base teórica de outros autores. Fica claro, então, que os apontamentos feitos no livro A arte de escrever manifestam-se em nós, mesmo que não seja de forma aparente e/ou intencional. Sendo assim, as conexões e, muitas vezes, as intertextualidades que temos a capacidade de realizar, possibilitam que façamos filosofia cotidianamente, comprovando que os mais diversos autores tornam-se universais.

[1] Schopenhauer, Arthur. A arte de escrever, São Paulo, L&PM EDITORES, 2007, p.42

[2] GOLDSCHMIDT, Victor. Tempo histórico e tempo lógico na interpretação dos sistemas filosóficos A religião de Platão. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1963. p. 140.

Leia mais

Contestações Pragmátic... Texto cedido por Danilo Henrique, São Paulo, 28 de dezembro de 2016 Defesa da Ética Argumentativa Frente ao Mito do Dado e a Guilhotina de Hume Prefácio Escrevo
Os Dez Princípios Conser... Tradução de Padre Paulo Ricardo de Azevedo Júnior Fonte: http://www.kirkcenter.org/kirk/ten-principles.html   Não sendo nem uma religião nem uma ideologia, o conjunto de opiniões designado como conservadorismo não
Exposição “Infini... Na mesa do ateliê do monge pintor Carlos Eduardo Uchôa repousa um pequeno volume de Jean-Jacques Leloup, A Teologia Mística de Dionísio, o Areopagita, em que o
Como os “intelectua... Texto de Helen Pluckrose traduzido por Natan Falbo O pós-modernismo representa uma ameaça não só para a democracia liberal, mas para a própria modernidade. Isso pode soar como uma afirmação
Centenário de Franco Mon... Filho do tipógrafo André de Blois Montoro e de Tomásia Alijostes, possuía ascendência italiana, francesa e espanhola. Por ter nascido no 14 de julho, data da Revolução
A Reconquista do Acre Pouco ou nada se fala daquele brasileiro lendário e esquecido; lendário pelo peso de seus feitos, esquecido justamente como tantos outros homens lendários. Mas Plácido de Castro
Sabes o motivo de não go... Texto cedido por  -MIL MAMELUCO Eu vou te explicar passo por passo. Muito provavelmente, os motivos que levam você a não gostar são os que me levavam
Cartas de um anjo a seus ... Resenha do livro “Cartas de um diabo a seu aprendiz” Vamos dar um passo adiante. Nos meus momentos de maior lucidez, vejo que não somente não sou
As pessoas são descartad... O presente ensaio foi redigido por Kellin Borges, paraguaya filha de brasileiros, formada em Psicologia e colaboradora do Movimento Somar Para Vencer. Inicialmente foi redigido em espanhol
POR UMA LIBERDADE PRUDENT... Enquanto um homem tiver o poder de pensar ou de não pensar, de mover ou de não mover conforme a preferência ou a escolha do seu próprio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *